31 janeiro 2006

Ser doméstico

Afinal, sou doméstico. Fui ao banco para criar uma conta para a minha filha (que já tem número de contribuinte e tudo. Deve ser para descontar as fraldas no IRS!) e descobri essa verdade. Não sou desempregado, porque isso implicaria o envio dos papéis para o Banco de Portugal (BP) e autorização da entidade para efectuar a primeira acção capitalista da bebé que acabei de adormecer.

Quando me dirigi ao balcão na manhã de segunda-feira, dia 30 de Janeiro (aquele dia que vai ficar para os anais da história como: o dia pós-neve. Por falar nisso, eu que já tinha ido à Serra da Estrela de propósito para ver neve e não a tinha enxergado, acabei por ver a partir da janela da minha casa, que dista uns míseros quilómetros do rio Sado)…

Regressemos, quando fui ao banco, atendeu-me um Sr. muito simpático e despachado que me informou de tudo. Porém, quando chegou à parte do comprovativo de emprego, eu fui sincero e disse: «Estou desempregado!». Ao que ele respondeu: «Eu não ouvi isso! O que ouvi (e é o que o Sr. vai colocar no lugar respectivo) é que o Sr. é doméstico/dono-de-casa.»

Depois explicou-me aquilo do BP (não consigo reproduzir a explicação, pelo simples facto que cristalizei aquela palavra: doméstico. Desde que estou desempregado já fui tratado por freelancer e desocupado. Agora doméstico… devia mudar o nome do blog para Pai e Doméstico, aceitam-se opiniões. Basta comentar!).

4 Comments:

Anonymous |\/|@|2(10 said...

Grande RUI! Tens bué de jeito para isto!

07 fevereiro, 2006 12:46  
Anonymous Anónimo said...

Opá, isso faz-me lembrar bués de anedotas porcas. Altamente!

07 fevereiro, 2006 20:15  
Blogger someone said...

Devias formar uma empresa !

09 fevereiro, 2006 21:51  
Anonymous Anónimo said...

:) acho q devias mudar para blogue do pais doméstico ;) é divertido :D
bruna

04 abril, 2006 22:34  

Enviar um comentário

<< Home